Como escolher mobiliário de jardim

Mobiliário de jardim

O aumento da popularidade dos espaços verdes exteriores em zonas residenciais tem igualmente impulsionado o mercado dos acessórios que por norma compõem estes ambientes, nomeadamente o mobiliário de jardim, tema do presente artigo. No entanto, a escolha dos elementos mais indicados nem sempre é fácil e implica respeitar alguns cuidados básicos dada a exposição a que estão sujeitos pela sua própria natureza externa. Assim, e atendendo a esse facto, recomendamos de seguida as melhores opções de decoração e deixamos ainda algumas dicas para a escolha das mesmas.

Antes de iniciarmos a exploração do conteúdo central deste texto sublinhamos, contudo, o carácter subjetivo das sugestões apresentadas e o quão importante é considerar as suas preferências pessoais acima de tudo, pois trata-se de procurar criar um “cantinho” de que irá usufruir e, portanto, terá necessariamente de ser do seu agrado.

Estilo clássico, contemporâneo ou moderno?

A decisão caberá a cada um e dependerá obviamente do espaço circundante. Não fará qualquer sentido seguir uma linha de vanguarda quando logo ao lado é o espírito tradicional que assume maior relevância exceto nos casos em que é precisamente essa a intenção, ou seja, nas situações em que combinar a diversidade é o foco de todos os esforços. Porém, atenção: combine, não misture. Quer-se um prato misto e não uma salada-russa…

Durabilidade deve ser uma preocupação

Como seria de esperar este deve ser um critério determinante na seleção do mobiliário de jardim, sobretudo no atual estado de total inconstância e imprevisibilidade das condições meteorológicas. Por isso, escolha peças de maior resistência à variação meteorológica como, por exemplo, o vime cosido, rede, aço e tecido impermeável.

Adapte essas opções ao espaço em questão mesmo que num primeiro pensamento nem se tenha inclinado para estas possibilidades. Rapidamente constatará a enorme variedade à sua disposição e mais tarde valorizará a durabilidade deste género de materiais.

Mobiliário de jardim

Tonalidades exteriores preferenciais

Muito poderia ser dito sobre este aspeto em particular mas a importância deve ser concedia aos gostos pessoais. Sim, existem tendências mais ou menos abrangentes, porém, não se está a tentar criar um espaço para ser fotografado e incluído numa revista de decoração e sim uma zona integrante da sua habitação que deve expressar a sua personalidade. Assim, sejam as tonalidades claras ou escuras, padrões simples ou excêntricos, o importante é fazê-lo a seu gosto.

Os critérios do conforto e utilidade

A utilidade e conforto são considerações fundamentais no processo de seleção de qualquer elemento residencial, contudo, a estética ganha demasiadas vezes relevância que não deve possuir, algo quase sempre realizado em detrimento daqueles dois critérios. Nesse sentido, alertamos para este erro sucessivamente cometido tendo em vista chamar atenção para o facto de que as modas são passageiras mas um bom investimento é eterno. Por isso, pondere bem as alternativas ao seu dispor e não ceda ao primeiro impulso.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA